Indústria de alimentos deve crescer

Em 2018 o setor alimentício foi o maior gerador de empregos diretos do Brasil: 1,6 milhão. Registrou um faturamento de R$ 656 bilhões, somados exportações e vendas internas, o que resulta em 9,6% do PIB.

O bom desempenho do consumo no mercado interno se manteve e absorve cerca de 80% das vendas da indústria. O crescimento foi de 4.3%, somando-se o crescimento das vendas no varejo e no segmento de alimentação fora do lar (food service).

Os dados são da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (ABIA). A indústria de alimentos processa 58% de toda a produção agropecuária brasileira. A participação das aquisições de matérias-primas pela indústria de alimentos se mantém nos mesmos patamares, sendo proteínas animais 100%, seguido do trigo e arroz, que representam 95%.

Em número de vendas os setores com maior projeção foram os óleos e gorduras (óleos vegetais, azeite, margarina e farelo de soja), com aumento de 12%; conservas de vegetais/frutas e sucos (extrato de tomate, milho, goiabada e sucos de laranja), 11,2%; desidratados e supergelados (pratos prontos e semiprontos congelados), 5,3%; bebidas (águas, refrigerantes etc), 4,3% e proteína animal, 4,1%.

Para este ano indústria brasileira de alimentos trabalha com a perspectiva de aumento de 2,5% a 3% da produção física (volume), de 3% a 4% das vendas reais e cerca de US$ 40 bilhões nas exportações. Como consequência da expectativa positiva, empregos (diretos e formais) podem crescer entre 2% e 3%.

Fonte: Agrolink