Conheça os diferentes tipos de farinha e os benefícios de cada uma

Quando pensamos em farinha, normalmente, a de trigo é a primeira que vem a mente. Durante muito tempo ela reinou como a única opção no mercado, principalmente, na confeitaria e panificação. Hoje em dia mesmo, ainda, sendo a mais fácil de se encontrar, não é mais soberana, pelo contrário, a infinidade de opções dessa matéria-prima, surpreende e agrada muitos paladares. Os especialistas são unânimes ao dizer, mesmo com os novos tipos de farinhas, não é indicado abolir 100% a farinha de trigo.

“Se o individuo não possui a doença celíaca ou não tem sensibilidade a ingestão do trigo, não indico abolir. O que oriento é que nada em excesso é satisfatório para a saúde, se ao consumir o trigo o individuo possui algumas reações e sintomas como por exemplo: inchaço abdominal, gases, intestino preso ou muito solto, entre outros sintomas em que o consumo trigo pode causar, indico sim fazer um teste e evitar esse alimento”, declara a nutricionista Milena Kerbauy.

Tipos de farinhas e seus benefícios

A engenheira de alimentos e consultora Laís Del Bianco, escolheu quatro tipos de farinhas e explica seus benefícios e como podemos utilizá-los. “Gosto muito de utilizar em minhas receitas a farinha de amêndoa, farinha de castanha de caju, farinha de coco, farinha de arroz e farinha de aveia”, diz ela que aproveita para dar uma dica: “Para conservação de qualquer farinha oleaginosa e farinhas integrais é importante que ela esteja em um pote bem vedado, para evitar a oxidação e aquele sabor de ranço horrível”, alerta.

Farinha de amêndoa: confere sabor suave nas receitas, além de rica em vitamina E, magnésio, fibras, vitaminas do complexo B, cálcio, potássio, fósforo, ferro e gordura poli-insaturada, importante para o controle de colesterol. Muito utilizada nas receitas lowcarb de pães, bolos e panquecas, assim como a farinha de castanha de caju, presente na alimentação saudável, por apresentar gorduras monoinsaturada, poli-insaturada, magnésio, fósforo e zinco.
Coco vem ganhando destaque pela diversidade de produtos obtidos, e um dos mais utilizados atualmente é a farinha de coco, que é obtida a partir da hidratação e depois secagem da polpa, mantendo assim as propriedades nutritivas. Apresenta um alto teor de fibras e baixo índice glicêmico, não contém glúten e lactose. Podendo ser utilizada em receitas de pães, bolos, trufas e tortas.
Farinha de arroz: é obtida da após a moagem do arroz, com a versão branco ou integral. A farinha de arroz integral é mais nutritiva, por conter a casca do grão, sendo mais rica em fibras, proteínas e baixo teor de gordura. As fibras presentes são solúveis e insolúveis, importante para o funcionamento do intestino. A farinha de arroz é muito utilizada nas receitas sem glúten para pães, bolos, tortas e empanados.
Farinha de aveia: sempre confere leveza, maciez para as receitas de pães e bolos e crocância para as receitas de cookies e crackers, além de deixar mais nutritiva, pois a aveia é rica em fibras solúveis, importante para o bom funcionamento do intestino e maior sensação de saciedade, auxiliando também do controle de açúcar no sangue.

Fonte: diariodaregiao